segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Destempero

Eu queria ser igual,
mas não tenho um rosto
o que tenho é oposto
ao que deve ser normal,
uma estampa oval
esconde um gosto
que por suposto
parece ter um mal...
um mau gosto,
um desgosto,
ou sem gosto,
ou sem sal...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Déjà vu

O novo mais uma vez vem assustar...é até estranho dizer "o novo de novo", mas acho que o tempo o fez ser assim. Já foi novo uma vez , em um tempo distante, agora um novo mais estranho, desconectando minhas ligações frias e duras. Eu tento reorganizar, mas não estava pronta. O imprevisível ata meus atos. Imagens macias entortam pensamentos de aço. Mas dessa vez será diferente, por que me deixo desdobrar e guardar...no "não fim".

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Vazamento

Eu sou a fonte da qual queres beber diretamente, mas sou também a gota que cai da torneira e perfura tua mente torturada. Jorrante, faço afogar, no instante seguinte a falta te faz secar. Súplicas e agradecimentos, a mesma dádiva é dilúvio e a graça se desgraça. Tua necessidade virou excesso, mas a culpa não está no ato, está na potência instigada, antes adormecida ela não era problema, agora que abriu a válvula, não contenha...mude-se e não abra a próxima.





*Eu sei que parece sem sentido, mas é bom que seja assim...(:

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Juro que não estou conseguindo escrever nada, tenho algo pra dizer, só não consigo...acho que vou demorar mais um pouco até aparecer por aqui de novo.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

desMATERIALize (lise)

O espaço é pouco para o que quero...o tempo é curto para o que tento...mas faço meu tempo-espaço em um pouco espaço de tempo, e em um ínfimo pedaço de espaço. É com pequenos braços que abraço o meu espaço, e com a vontade, dou saltos e cortes na linha do tempo. Não posso com partes, ser toda, mas materializo espaço, penso tempo...sobreponho formas e agrego idéias, e eu, ser, sou mais uma parte e cerne do meio.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

:)

Percebi que quando estou indignada com algo ou alguém eu escrevo mais por aqui. Não está acontecendo isso nos últimos dias, o que é bom demais, por isso vou continuar escrevendo pouco, enquanto a fase boa está durando. Também tem o tempo que não colabora...ou eu que exijo demais dele? Não importa! Mesmo assim continua tudo ótimo, e se eu pudesse, seria assim sempre! Só para constar, meus "queridos leitores"(me senti...heheheh....)

Enfim...a questão é amor próprio, para ser bom com os outros. Ninguém pode fazer nada de bom para outro se não se amar. Por isso que vou para frente do espelho, dou aquele sorriso de lado, aponto o dedo, me elogio, me amo, e vou amar o mundo :D(Y)

sábado, 3 de outubro de 2009

Água mole, pedra dura....

Poucas palavras banhadas em mel e leite, algumas expressões dos sonhos e comportamentos encobertos...sempre gostei de mistérios...

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Minha metodologia

Eu vejo que os clichês "faça o bem sem olhar a quem" e "você planta o que você colhe", possuem quase um ar científico!!! Estranho isso, mas é do senso comum que a ciência tem matéria prima para trabalhar.

Sem tempo pra escrever ultimamente...mas tudo indo muito bem.

Uma música legal pra ocupar seu tempo. :)

domingo, 27 de setembro de 2009

Eu sou útil

http://www.dominiopublico.gov.br/

Um link legal. Acessem e espalhem, senão vão tirar do ar pela quantidade pequena de acessos.

sábado, 26 de setembro de 2009

Já tenho dito:

Quem muito pensa, pouco dorme!

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Não sinto muito, não sinto nada *

Minha estima antigravidade
destrói teu sorriso treinado
pois ensaios não sustetam
o orgulho ensanguentado


*Já escrevi algo parecido, mas não tão cruel.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

IDeando a IDiotice

Não suporto falso moralismo. Aquele rostinho falso e atitudes comedidas, na medida exata do que é supostamente correto. Esses são enrustidos e frustrados. Querem fazer algo, mas a autopunição e o medo os impedem. Não contentes com o seu fracasso como ser, ainda querem o fracasso dos demais que se arriscam a terem momentos felizes. O certo ou errado é muito mais do que aquilo que parece belo ou feio, é uma relação do que envolve outras pessoas, por isso acredito piamente que se eu não fizer mal a ninguém, não estou fazendo algo errado (a não ser pelo fato de causar inveja, mas isso vai variar dos estímulos internos do outro, e não exatamente de mim). A minha resposta a esses pobres seres é apenas o meu sorriso. Solta a fangra, grita e assanha os cabelos, liberar serotonina é preciso. E não querendo cair na linha freudiana, repimir-se não é legal, siga seus 'instintos' de vez enquando. Faça isso, suas céluas e o mundo agradecem.

sábado, 19 de setembro de 2009

Tempo...tempo...tempo...

Eu ando bem ocupada esses dias, até que pensei em umas coisas legais para escrever aqui, mas geralmente esses pensamentos ocorrem em momentos impossíveis de escrever, e assim eu esqueço das palavrinhas mais interessantes (exemplo disso é quando estou pilotando ou comprando alguma coisa). Meu dia precisa ter 50 horas. Ah! tem nada não, um dia eu lembro e escrevo. Por hora é isso. Só para dar as caras mesmo.

sábado, 12 de setembro de 2009

Nostalgie


Sem muitas palavras...

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Animal instinct

Eu gosto das formigas. Elas carregam 3 vezes mais o peso do seu corpo. Elas são pequenas e chatas...aliás, seu tamanho é inversamente proporcional a sua chatice. Eu gosto delas. Elas trabalham bastante, são engenhosas, e algumas vezes outros seres destroem seu rico trabalho. Mas elas reconstroem. Eu realmente gosto de formigas. Elas são agitadas, e parecem desordenadas andando para todos os lados, mas é tudo calculado, é tudo controlado. Gosto das formigas. Elas aparecem quando menos espera. O melhor de tudo é que são seres pequenos, mas sua ausência é catastrófica, e sua presença, ameaçadora...não duvide das formigas!


*Qualquer semelhança...

sábado, 5 de setembro de 2009

Para me parar

Seja firme,
se afirme
seja incerto,
mas perto,
mais perto,
bem perto,
esperto!
Dissolva-se,
e assim,
misture-se
em mim.
Solidifique,
e fique aqui.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

O pôr nascer do sol

Pode vir,
se ponha em mim,
e se pôr em ti,
ponha para fora,
o que puder.

Pode ir,
e se for,
se vá inteiro,
pois um raio
não me serve.




sábado, 29 de agosto de 2009

Já está tudo lindo...

...eu não fico com raiva por muito tempo :) ainda bem, não quero criar rugas por nada XD
Valeu pessoas!

Um sentido além dos cinco + uma função extraoficial + algo mais sempre mais

É assim que vai ser!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Desabafo...

Eu prometi não xingar nesse blog, mas essa birosca é minha mesmo...então...puta que pariu!
VTNC!
Não entendo...juro!
Só por que está indo tudo bem comigo, nunca estive tão bem, tem que vir um(a) escroto(a) pra querer me ferrar. Eu sou chata, tenho os meus defeitos, mas nenhum que entre no quesito: "quero o teu mal!". Porque eu sinceramente não quero o mal de ninguém, porque eu sou abestada. Eu não gosto de fofoca, não faço planos contra ninguém, não passo a perna, não privo nada que é de direito...enfim...sou chata mas sou legal. Aí vem um ser de mal com a vida, que só recebe patada porque só dá patada, que é um zero à esquerda, que só sabe falar e falar dos outros...enfim...um(a) bosta...e faz de tudo pra me derrubar. Pois lá vai um recado: vou continuar sendo assim, e não vou me vingar, minha vingança será meu sucesso, e a sua inveja, seu triste fim. Só lamentos...ufa!

sábado, 22 de agosto de 2009

Por que...

...as coisas mais engraçadas e absurdas acontecem comigo? XD


quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Você está certa!

Como alguém pode me pedir para 'desconstruir' minhas certezas, impondos as suas? É lastimável o discurso hipócrita de algumas pessoas. A complacência e permissão do diferente, só deve ser aplicada aos outros? Muito fácil, minha senhora!(foi minha professora!)
Quando questionei sobre o que ele impunha, estava eu sendo inflexível! Veja só, apenas questionei o que ele afirmava ser certo, e ela nem respondeu de forma coerente, mas não perdeu a sua certeza, e ainda disse que tinha que 'desconstruir' as minhas. Então eu ri. É verdade que sou orgulhosa, e defendo minhas idéias, mas a questão era subjetiva por demais, apenas uma opnião de minha parte, e uma 'certeza' da parte dela. Dessa vez não me impus, e ela, que tanto quer flexibilidade, não se permitiu moldar. Eu ri por pena. Porque é nesse momento que me sinto superior, quando pensam que estou por baixo, ou quando me calo, é quando eu sei que posso não estar certa, mas ela está errada, e eu me permito mudar, e ela não, e no fim eu venci de alguma forma.
Na próxima aula, aparentemente terei 'descontruído minhas certezas', e quando, humildemente, retirar o meu tijolinho, todo muro desmoronará.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Quem sou eu:

Não sei, só sei que faço questão de ser assim.

;D

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

A beleza da ironia

"...e fui descalçar as botas, que estavam apertadas. Uma vez aliviado, respirei à larga, e deitei-me a fio comprido, enquanto os pés, e todo eu atrás deles, entrávamos numa relativa bem-aventurança. Então considerei que as botas apertadas são uma das maiores venturas da Terra, porque, fazendo doer os pés, dão azo ao prazer de as descalçar. Mortifica os pés, desgraçado, desmortifica-os depois, e aí tens a felicidade barata, ao sabor dos sapateiros e de Epicuro."



Machado de Assis (é claro!) , Memórias póstumas de Brás Cubas

Eu tive a mesma sensação...não com o sapato...só quem entende a obra pode entender...é até melhor assim.

domingo, 9 de agosto de 2009

Um post metalinguístico

Algumas pessoas me perguntam sobre o blog. Vamos lá:

  • O url do blog é 'atrasdapropriasombra'...3 significados:
  1. Posso estar 'atrás' no sentido de "à procura", e a 'sombra' no sentido de "essência";
  2. 'Atrás' no sentido de escondida;
  3. E o 3º e mais importante vai ficar no ar (só para matar os mais curiosos ou instigar os mais espertinhos);
  • O título do blog é "EU não EU"...
  1. O "EU" aparece em maiusculo...ego mesmo;
  2. O "EU" aparece 2 vezes, por que em 1º lugar eu me amo, e em 2º também;
  3. O "não" é por que ao passo que me elevo, também me nego...bem óbvio...bem típico;
  • O layout vermelho, preto e branco...não sou tricolor...aliás, não gosto de futbol!
  1. O vermelho é quase uma doença...na verdade existem vários motivos por gostar...mas não preciso explicar todos, basta dizer que é a primeira frequência que chega ao olho humano (os publicitários devem saber isso)...chamar atenção...blá blá...típico;
  2. O preto é maravilhoso, combina com tudo, e ao mesmo tempo contrasta com tudo...adoro paradoxos;
  3. O branco é meu "espírito" simbolista a la Cruz e Souza...ao mesmo tempo que remete a umas loucuras (fica olhando para uma coisa branca sem parar e me diz o que sente);
  • O conteúdo do blog...Por que falar só de mim...
  1. Primeiro é meu desabafo...lê quem quer e eu ecrevo quando quero;
  2. Não falo de causas sociais, natureza e arte, não por que não seja do meu interesse, apenas cansei de expressar minhas idéias acerca dos mesmos, guardo-as para mim e faço o que posso para mudar algumas coisas;
  3. E por que não há nada que agrade mais as pessoas do que saber da vida de outras...sucesso total! Alimento sim o vício dos outros, e observo tudo da platéia, apesar do show ser meu;
  • E o resto...
  1. Perceba que os textos são alinhados, bem como tudo...simetria é uma coisa linda;
  2. Os links são realmente úteis, não são para passar uma boa imagem, apesar de quase sempre ser assim;
  3. E esse último é só para ter 3 tópicos também, como os outros...mania...mania..mania (* os últimos 3 posts receberam 3 comentários cada :S);

sábado, 8 de agosto de 2009

ALTOAUTO

Eu adoro ver as coisas boas que estão escondidas nas ruins. Nada de "Poliana Moça", "O Segredo" ou algum livro de autoajuda (não estou dizendo que os dois primeiros enquadram-se em tal categoria). É mais por ser desafiador, por ser difícil. Por que afundar é fácil, basta se deixar levar e dar o devido alimento: recordações; pensamentos deprês; músicas deprês; sorvete; etc. Mas lutar contra a corrente é tão excitante, dá significado a tudo. E é energético...sim...energético! Foi a primeira palavra que me veio a cabeça, talvez por que seja assim mesmo. Então, mesmo sendo clichê, vou dizer para você ver a flor no alto do cacto.


P.S¹: Antes que perguntem, não estou mal (tirando uma gripe infeliz), esse post é para um amigo que precisa...

P.S²: Post rápido...doente...cama...enfim!

P.S³: Odeio "O segredo" e livro de autoajuda! Pensar positivo...blá blá blá ¬¬"

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Inutilidade pública...

Alguém faz o favor de me dizer por que eu gosto tanto de aparecer?

:D

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Meio feliz


Um olhar torpe e camuflado,

aproximação tácita e lenta,

um rastejo de quem tenta,

mais um resultado forjado.


Roçar de braços e entrelaços,

flúido e promessas entre dentes,

sons tímidos e duo, entre passos,

e mais uma idéia entre mentes.


A farsa tem rosto, é cruel.

Um plano por trás do pano,
uma face por trás do véu,

a felicidade foi um engano.


P.S: Foi só um sonho...ruim. :D

domingo, 2 de agosto de 2009

Fim...

...de férias...

Por que tudo que é bom dura pouco? Pergunto e eu mesma respondo: Porque o que tem em demasia no mercado não tem valor, não tem graça. Bom é ter vontade, por não abusar. Imagine só trabalhar ou estudar só no meio e fim do ano, e todo o resto ser só festa...nããããããooo!!! Não teria graça...seria rotina do mesmo jeito, seria chato! Bom é o último biscoito do pote, por que é só um. Bom é a fruta que dá trabalho pra colher e é cara. Bom é a pedra rara. Bom é férias que é curta e intensa...mas se prolongasse mais uma semana eu ia adorar. hahahahahah...:D

De volta!

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Minha fôrma é disforme

Por que quando algumas pessoas fogem do padrão dói tanto em outras? Será que é por que elas queriam fugir também e não conseguem? Não têm coragem? Ou por que a sua verdade está tão entranhada que qualquer coisa que desvie desta é uma ofensa? Não sei, fico pensando nessas e tantas outras possibilidades. Sei que não vou ser mais uma peça que saiu do molde. Posso sim, ser bem parecida, não quero ser diferente, apenas continuar com minhas peculiaridades. Oras! Todos possuem pequenos desvios em seus traços, na hora de sair da fôrma ou de preparar a massa. O que afeta tanto alguns, é o grau ou o ponto de desvio. Esse não é um post de alguém triste por ouvir reclamações, é só uma critica barata falando o que todos já sabem, mas insistem em continuar com as mesmas idéias cômodas e pré-cozidas. Não me afeta mais...meu maior orgulho sou eu.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Eu.fórica

Quando me encontro,
a física não tem lei,
desconheço tudo que sei,
sobre tempo e espaço.
...Alegria...
Quando me invado,
vejo o toque,sinto cores,
e os dissabores,
me são agradáveis.
...Lisergia...
Quando me encaro,
não uso anestesia,
pra ver o que inebria,
me elevo e enlevo.
...Euforia...


P.S: Quase egocêntrica :D

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Meu ópio

"Cobre-me com palavras, e me entorpece como um suco de papoila."

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Insônia

Minha conciência insiste em manter meus olhos como prisioneiros, reféns de sua tortura, sempre abertos. Eu devia controlá-la, mas ela me amarra e me mantêm acordada, quando eu queria apenas sonhar. Como qualquer mortal, apenas cerrar os olhos, e relaxar. Sentir cada músculo como um veludo dentro de mim, e cada pensamento como um caminho de contos de fadas, ao som de um instrumental com o fundo de uma queda d'água. Tão confortante imaginar isso, mas ainda sou prisioneira de meus pensamentos, esses que fazem balbúrdia com suas imagens que giram; frases que pulam; sons que sacodem. Tudo como um vizinho barulhento e uma festa indecente. Por que pensar tanto quando se pode dormir? O sono dos justos, pois não...mas não!
Maldito martelo, maldita conciência!
Uma tarefa tão simples, tão difícil para mim. Crio 10 braços e não sei me posicionar. Os pensamentos enrolados dão nós em meu corpo. Meus lábios secam ao desespero da prisão. Meus olhos ardem com o ácido das horas perdidas. Mais pareço uma dançarina angustiada. Rolar, mudar, trocar, esticar, puxar...movimentos sem treinamento, apenas tentaivas de uma posição perfeita, onde nada mais entre, e talvez assim o mundo pare. Horas de luta, e a vitória, talvez um empate. Mas no outro dia, ou melhor, na outra noite, o jogo recomeça novamente.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Mania...



...das pessoas acharem que sou besta...que não percebo suas "atitudes firmes" totalmente mascaradas. Ah...as máscaras! Enfeitam nossas vidas. A minha de tola, a sua de esperta! Mas o que conta é o que está por trás delas.
:D

sexta-feira, 17 de julho de 2009

P.N.

Incrível o quanto me cobro...trabalhos; compromissos; aulas; encontros; pessoas; lugares; atitudes...me cobro até pra escrever nesse blog, como se fosse uma obrigação... quer saber... estou de férias! Que se explodaaaaaaaaaa...
Estou com preguiça e com ressaca, então, só escrevo aqui quando der vontade!(Y)

Até não sei quando.
beijos

domingo, 12 de julho de 2009

Estrela de nêutrons

Densa, cheia de tudo,
mais para dentro de si,
e com o peso do mundo
em uma colher...

Todo a força, aumenta
para chegar ao zero,
e quando não mais sustentar,
explodir.

Meus polos contrários
se condensam em mim,
para me transformar
e me trair, no fim.

No fim, onde a maior força
aparece e cresce,
e mostra o brilho, que
viaja para sempre.



OBS:A analogia só faz algum sentido, se souber o que é estrela de nêutrons.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Sonho de Ícaro



Ah...as nuvens! São massas de modelar, nas mãos da minha imaginação. Uma arte de se congelar. Mas tão fugaz, só para mais me atrair, como tudo efêmero. É tão confortante que sinto minhas pernas menos densas, menos que o ar. É onde quero morar, é o que posso moldar. Sinto-me branda como uma luz pequena, só de vê-las dançar desarmônicas e lentas, a dança mais bela. Faz e desfaz, para novamente renascer. Até entendo por que queria asas. Morreram jovens e felizes, chegando às nuvens e dançando com elas. Ícaros, Joãos, Marias, Ritas...

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Manjar...

Já ouviram falar em "o sabor da vitória"? Claro que já! Muitos já experimentaram, eu estou me deleitando. É uma frase simples e bem pensada. O paladar só não é melhor do que o tato, mas é maravilhoso, e sentir o sabor da vitória, ao invés de ouvi-la, vê-la, tocá-la...é mais tangente ao que sinto. Meu paladar, modéstia à parte, é apurado. A vitória é um prato fino, feito para degustar-se aos poucos, sentindo cada pedaço... deixando-os derreter... deixando salivar... deixando sentir pouco a pouco... o sabor agridoce... levemente apimentado... suave mas expressivo... exótico... diria que trata-se de uma iguaria... e capaz de ativar todos os outros sentidos... de ver o belo... de ouvir o clássico... de sentir o perfume... de arrepiar... é sem dúvida, o melhor prato que já saboreei.

sábado, 27 de junho de 2009

Um polo, por favor.

Blog jogado às moscas...ninguém comenta...eu não posto...nem lembrava mais que o tinha.
Acho que é por que ando meio a tôa, acho que é por que está tudo mais ou menos... nem bom, nem ruim; nem alto, nem baixo; nem triste, nem feliz; nem sem ânimo, nem motivada; nem preocupada, nem tranquila; nem faltando, nem sobrando; nem outras coisas que prefiro não citar...
Não gosto do mediano, do equilíbrio. Bom é ser extrema. Bom é ter o que fazer( trabalhos de faculdade não contam). Bom é fugir do ontem evitando que ele seja hoje, e já pensando no amanhã. O incerto, o atraente. Eu quero um mais, ou um menos, só não aguento mais o igual. Eu quero um sim ou um não, nada de talvez. Eu quero o céu ou o inferno, chega da terra. Eu quero levar, ou ser levada, e não ficar parada. Eu quero surpresas, e nem precisa ser uma festa, basta ser inesperado...pode ser até ruim, pra ver se ao menos eu choro, ou rio da desgraça. Eu quero não sei o que, só não quero continuar assim, igual.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Novos ventos...

Minhas idéias andam embaralhadas, algumas peças estão faltando, e umas sobrando também. Não foi o vento que espalhou, mas foi invisível, incerto, inesperado tal como este. Aquilo que estava consolidado, ruiu, como algo facilmente deslocável...como pode? Era tão firme! Ia ficar ali para sempre, eu tinha certeza. Nem era tão certo, nem estava tão certa. Uma brisa para balançar é sempre bom, quebra a estaticidade, mas um vento forte destrói a base. Pior ainda quando este não tem direção, e segue de acordo com o acaso, palavra essa alheia ao meu vocabulário. Não suporto pensar que vivo o 'acaso', o 'destino', a 'coincidência'. Tudo confuso. Maldita ventania. Posso reordenar as peças, repôr as velhas, e descartar as inúteis, mas pode vir outro vento. Tem que ser mais firme, e tenho que desviar-me dele. Ou desviá-lo quem sabe, com um vento mais forte: o que eu produzirei.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Um post qualquer...

Hoje queria escrever alguma coisa, mas o que veio em mente era um tanto polêmico para ser expresso aqui (não temo, apenas evito a fadiga), não consegui pensar em outra coisa, então lembrei-me do que escreveram pra mim uma vez, algo bom de se ouvir, acordei pensando nesses versos...

"O teu rosto tem encanto e brilho,
e teus gestos são raios de luz,
a extasiar o olhar de quem vê,
o infinito que teu corpo traduz.
Então vá refletir,
tanto bem que há em ti.
A tua rebeldia é tua sensatez,
tua ideologia não há ideal..."

Eles fazem me sentir bem...hoje é um dia bom...

domingo, 7 de junho de 2009

En - cantada

Encanto em um canto, uma voz.
No canto, o som, nós...
não resisti.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

1, 2, 3...testando!

É assim que tenho certeza das coisas, testando-as. Isso vale paras as pessoas...acho que vale mais do que para as coisas. Não trata-se de algo invasivo, eu não faria isso. As pessoas que escolhem os seus testes, respondem, e me mostram suas notas. Ah...quanta nota baixa eu vejo! Certo que nem sempre nota baixa demonstra desinteresse ou déficit de aprendizagem, mas nos meus testes, fica claro quem merece adjetivos do pólo positivo e adjetivos do pólo negativo. Em alguns casos eu tento mudar o processo, e assim, a nota. Mas o processo depende do indivíduo, se este não quer, de forma fatídica, vem a reprovação. Não sou a favor desta, mas também não sou a favor da promoção fácil. Procuro a solução. Sei que quando não consigo aumentar a nota, deveria abandonar, mas não gosto de desistir. Em compensação, insistir no que não muda é burrice. Devo eu enxergar um novo procedimento para avaliar? Não...o problema não é na avaliação, já passei pela reflexão, repensar, refazer...já fiz uma autoavaliação, autoinstrução, autoafirmação...me firmei! E firme sigo com os testes, é uma forma de seleção...não tão natural. Mas é da minha natureza.

sábado, 23 de maio de 2009

(8) rá tá tá tá tá tá....

Era pra ser tão simples, paz é uma palavra tão pequena. Mas venho novamente falar o que já estão cansados de saber: que só me interpretam errado. Isso realmente cansa. Estou em uma guerra sem querer lutar. Eu só quero levantar a bandeira branca, retornar à pátria e morar em uma casa no campo, tranquila. Levantar a bandeira não é se entregar ou assumir que perdeu, não na guerra que estou, é apenas cessar algo que não deveria existir.
A luta não é por território, mas é por poder. Eu não preciso atacar, nem me defender. É algo que não podem me tomar. Mas vão continuar a guerra, até que muitos saiam feridos. Eu quero a paz, mas é a força inimiga(não ao pé da letra, por favor) que deveria bater em retirada.
É...nunca deram muito valor a decisões diplomáticas...

quarta-feira, 20 de maio de 2009

A roupa nova do imperador

Venho aqui trazer-lhe uma roupa, fina e diferente, custa caro pois é exclusiva, e dará seu devido valor ao ver a adoração de todos ao seu redor...
Não se espante se o tecido é invisível, pois só você pode vê-lo assim, trata-se de algo inovador...
Tenho certeza que fizemos um bom negócio...
Adeus e sucesso com sua nova roupa (otário)...

Incrível como as pessoas se desfazem de sua identidade para moldar-se aquilo que pensam ser visto de uma forma melhor.
Não compro roupas invisíveis, até gosto do veludo ultrapassado...

sábado, 16 de maio de 2009

Dance, dance, dance...

Felicidade. As pessoas procuram muito por isso aí. Uns correm atrás em uma perseguição incansável. Outros apenas olham para o lado e a encontram. Alguns querem apenas saber que bicho estranho é esse. Mas o que é isso mesmo? Uma forma de estar ou de ser? Realizar-se ou fazer-se? Alcançar ou ter? Viver? Sentir?
Para uns autores, o homem vive em função de seus desejos e prazeres. Ou ainda para sentir-se bem com àquilo que ele quer pra si. Pode ser também, uma caçada de algo alheio a ele, para sentir-se completo. É tudo igual, sempre, só muda de endereço.
O fato é que procuram tanto a felicidade, que imagino que esse é o ápice do que seria bom para o ser. Acontece que se a felicidade fizer um homem completo, ele não terá mais o que procurar, ou o que sentir, ou o que querer ser, e aí tudo acaba, e tudo perde a graça. Não estou aqui dizendo que devemos ser tristes, pelo contrário, devemos encontrar a felicidade, dar um abraço e chamá-la para um chá, talvez ela fique para o jantar, quem sabe durma com você, e se ela gostar, talvez more com você uns dias, mas ela se cansa e vai embora, pra voltar de novo quando "der na telha".
É isso mesmo, devemos fazer planos, devemos sonhar um pouco, mas sem a obsessão de encontrar a felicidade como algo eterno em nossas vidas. Ela está por aí. Ela vem e passa. E isso é que faz dela interessante e tão desejada. A luz não seria notada se não surgisse em meio as trevas.
Agora vou dançar com minha amiga nômade, a felicidade, enquanto ela ainda está no ritmo da minha música.

:D

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Floresceu...



Flor,
é seu
copo-de-leite.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

O circo está (des)monta(n)do

Eu vejo o desespero. Sim meus caros, àquelas ações que você quer que pareça uma coisa, mas todos têm certeza de que é apenas uma atitude desesperada de contornar a situação. O bom é que não é em mim, mas as ações foram feitas para me envolver. O bom é que eu não sou atingida, mas é pra me atingir. Bom mesmo é que eu tenho do que rir, mas tenho mais é que sentir pena. É por essas e outras que deixo pensarem que sou facilmente enganável, pra ver até onde vão, até onde a inquietação do "não" pode levar alguém. Eu fico bem de platéia, não queiram me pôr no centro do show, não vai funcionar, por que eu não sou um leão de circo que é provocado e domado, ou a foca que vai ser treinada pra bater palmas e ficar na palma da mão do treinador. Eu vejo tudo da arquibancada, bem lá do alto. E o que eu faço melhor é rir do palhaço, que no fundo chora a mágoa de ser um pobre coitado. Eu poderia ajudá-lo a sair do circo, mas foi ele quem quis ser o centro das atenções com o seu nariz pintado. Só me resta assistir o espetáculo.

sábado, 9 de maio de 2009

"Não caia no óbvio"(8)

Quando uma pessoa me disse que tudo no homem poderia ser treinado, eu não acreditava. Eu disse pra ele que isso eliminava a humanidade ao passo que limitava o ser. Mas hoje eu vejo que é verdade, e isso não me limita, ao contrário, me abre um novo caminho. Treino todos os dias, e passa despercebido por outros, mas eu sei de mim, e é o suficiente. Tanta gente se preocupando com algo mais, e esquece do primordial(de primeiro, ao menos deveria vir primeiro), daquilo que está escondido nas entrelinhas. É tão fantástico perceber aquele pequeno detalhe ignorado, ele me retribui por ser percebido. E minha satisfação maior nem é o que ele tem a me dizer, é o simples fato de conseguir captá-lo antes de escapar. Por isso eu treino, por que não posso esperar por "dom", enquanto os detalhes estão correndo por aí, afinal, caindo naquele velho clichê, o detalhe faz toda a diferença.

sábado, 2 de maio de 2009

Prazer, meu nome é "Paradoxo"!

Acho que é por isso que me interpretam de forma errônea. Ou talvez por que é assim que querem me interpretar? Prefiro ficar com a visão otimista da coisa, a primeira.
Eu adoro a dificuldade da simetria, mas a irreverência do tortuoso me fascina. Os sabores mais extremos se confrontam para minha felicidade. As ações? Discretamente gritantes. Alarmes silenciosos. Palavras de pluma com efeito de peso. Palavras de peso carregadas pelo vento, levadas para longe. Sonhos à luz do dia, pesadelo à luz do dia, vida à noite, viva! Cuspo respostas das perguntas que já engoli. Engulo respostas das perguntas que fiz. Um som grosso e áspero me alisa. Não quero canções de ninar ao dormir. Respirar é consequência. Expirar é viver, jogar pra fora. O belo me parece tão tosco, o disforme é tão atraente. Meu céu é vermelho. Meu inferno é azul. Passeio pelas pedras cantando. E é sobre a grama verde que eu piso. Uma egoísta que ajuda. Uma altruísta que massacra. E quando os extremos devem ser evitados, um olhar bizantino me é bastante útil.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Sanguessuga

Um precisa,
outro aproveita.
Parasitismo.
Isso foi o começo.

Forçassuga...
Alegriassuga...
Mas tem analgésico!
Assim foi o meio.

Um olhar triste e final,
um lábio cínico e fatal,
a fonte esgotou.
Esse foi o fim.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Não,sinto muito/Não sinto muito

Ah...ah....ah...respirei bem fundo antes de cuspir as palavras com a força que eu queria que fossem sentidas. Agora mais calma, sei que de nada adianta queimá-las para parecer com palavras de raiva. É bom mergulhar no pensamento mais brando pra livrar-se da tensão do sentimento mais áspido. É o que me faz humana, idear, é o que nos opõe aos outros animais e seus instintos...tão impulsivos! Isso é óbvio, mas é que o óbvio nem sempre é feio ou desprezível. Ainda bem que sou humana, ainda bem que funciono como tal, pois não funciona com todos, ou nem todos funcionam assim. Voltando a minha ré-ação e reação na situação, a respiração fez toda a diferença, é como sentisse toda a podridão do sentimento sendo substituido pela leveza do pensamento. Ah....ah...ah...como eu "amo" ser racional!

sexta-feira, 17 de abril de 2009

A criação...em 20 anos.

Espelho do óbvio, reflito o impossível. O impossível é tangível, por que pensar além é quase rotineiro. Imortal como um Deus, ferido como um animal, comum a quem é incomum. Corto o padrão, e o sangue escorre, mas ninguém, além de mim, sai ferido. Os sabores amargos que senti, percebi-os como doce. Interpretar vai mais além, e eu tenho o além em mãos, as mesmas mãos que tocam o eterno por cortar o padrão. A conduta pré-moldada, devolvi à fábrica. Aprecio obra artesanal. Sublimo. Deleito. Sinto tudo. Guardo o mundo. E nessa sinestesia me consumo com euforia e recrio um novo ser.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Final feliz

Era uma vez, uma garota. Era uma vez, um lugar. A garota fora do lugar, mas lá mesmo ela está. Ela seleciona, (por que na natureza é assim). Ela consome. Não paga, pois não está à venda. Ela parte. Ela vive feliz para sempre. O consumido nem tanto. Mas é assim, e ela já sabe que sempre será.

Fim


segunda-feira, 13 de abril de 2009

Pão e circo

Feriados são engraçados. Para cada data, um motivo, um acontecimento, um fato qualquer que fez daquele dia, um dia marcado. Natal, páscoa, dia das crianças, dia da mulher, dia das mães, dia dos pais, dia dos namorados, dia do fulano com seis dedos. Todos, teoricamente, têm uma razão para serem lembrados ou celebrados. Pra mim é tudo comercial. É bom aquecer o mercado, e dormir um pouco mais, não reclamo de nada disso. Mas é tudo muito engraçado. Semana santa por exemplo, as pessoas têm que passar um dia lá sem comer carne vermelha. Beleza! Faz bem à saúde. Acontece que é por que Jesus derramou o sangue e blá blá blá. Mesmo assim, tudo bem, não interfiro na religião de ninguém. Mas o engraçado, é que no outro dia as pessoas se empanturram de carne vermelha e cachaça. Salvos do pecado por um dia de abstinência. Os pecadores se iludem e os pescadores agradecem. E eu continuo achando tudo muito engraçado.

A propósito, descansei e comi bastante, adoro feriados!

[Ao não-anônimo: eu não imaginava que o do gorila também era teu, é muito brega. Mas tinha que ser wikipédia, tinha que ser tu.;D]

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Fugere Urbem

Pessoas que frequentam o meu blog (que não são muitas),
Tristemente comunico-os que essa possilga será abandonada por uns dias em consequência do feriado. Viajarei para o interior do interior de São Raimundo Nonato (que é interior).
Entrarei em contato com a natureza, e me desligarei da turbulência da cidade grande (não tão grande assim, aliás, pequeníssima!).
Enfim, voltarei zen e renovada para escrever inutilidades aqui.
Desde já agradeço a compreensão de todos. (como se fosse fazer muita falta)

[Quase] Atenciosamente



RitaSantana

terça-feira, 7 de abril de 2009

Ao anônimo nº2...

Nos textos, a Rita fala. Nos poemas, personagens falam.
Não és tão anônimo, deixa pistas. É diferente e óbvio. Eu sei quem gosta de me fazer rir e de me contrariar, porém, o conheci mais corajoso.;*

domingo, 5 de abril de 2009

Não é nada!

Estava sem idéias, sem vontades, sem planos...defini-me como uma "cheia de nada". Sem nada para escrever aqui, pensei então: "vou escrever sobre o nada!".
Isso é muito sem sentido, por que escrever sobre o nada, é escrever sobre alguma coisa, logo, não é nada. Captou? Além disso, eu sei que o "sobre" equivale a "a respeito de", porém, pensando no "sobre o nada" de outra forma, dá um nó aqui dentro...pense em como seria algo sobre o nada, ou mesmo sob este. LOUCURA! Aliás...pense em nada, ou pense no nada, como preferir. Há uma diferença sim, mas acho que não conseguiria explicar, é muito e não é nada! Se pensar em/no nada, o que apareceria em sua mente? Tudo ficaria branco? Tudo ficaria preto? São cores, logo são alguma coisa, logo não são nada, não pode ser nada! Eu já tentei, e não tive êxito, se alguém conseguir, por favor me avise.
Engraçado, como pode existir essa palavra, se nem ao menos conseguimos pensar nela? Aí você diz: "mas eu não consigo pensar no ar, por exemplo, eu não consigo vê-lo", mas você sabe que existe, por que existe! E o nada? O nada nega existência! Aí você diz: "nega existência de quê?", de qualquer coisa, é ausência de tudo! É isso, nada é ausência de tudo, por que as palavras extremas, existem para ser opostas. TUDO e NADA! Mas não existe a ausência de tudo, senão eu nem estaria aqui, nem você aí. Compreende? Logo, nada não existe! Eu provei que o nada não existe? Eu quero ser muita coisa mesmo!¬¬"
Quem inventou essa palavra? Alguém "do contra", alguém como eu! Eu sei que foi, alguém que queria contrariar tudo. Mas até mesmo esse alguém (e eu), que parece não gostar de nada, gosta de alguma coisa, todo mundo gosta de alguma coisa, logo não é nada.
Se alguém pergunta "o que você tem?", e você diz "não é nada", que balela, é alguma coisa! Fome; dor de barriga; a morte da bezerra; o tédio; felicidade escondida; o céu róseo-fim-de-mundo; seja lá o que for, é alguma coisa, então não é nada!
E se eu disser que não vou "fazer nada", estou fazendo alguma coisa, por que o que na verdade seria "fazer nada", é ficar parada, talvez, esperando por algo acontecer, e isso é alguma coisa.
Se você disser que não sente nada, isso então eu não concebo! Direi a todos: "aqui jaz fulano"! És morto! E isso não vale! Por que um morto não me dirá que sente nada!
Para ser contrária a tudo; para ser apelativa; para coisas sem fundamentos; para qualquer coisa; nada é alguma coisa, nada não é nada! Nada não existe!

Você, ao terminar de ler, dirá: não aprendi nada/não ganhei nada/não entendi nada/não acredito em nada...mas eu tenho certeza que você pensou, riu, ou fez careta, ou me xingou, ao ler tudo isso, e não é nada, é alguma coisa, o que só prova que eu estou certa. Obrigada!






































Pensou que não era nada? Então sublinha o texto aí em cima para ver tudo!

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Uma data eterna

Hoje é 1º de abril!
Aí você diz:
- E eu com isso?
É que é uma data engraçada. Não por que as pessoas costumam mentir nessa data, mas por que elas mentem e depois dizem que mentem, e ainda dizem: "Te peguei, hoje é 1º de abril". Oras! O ser humano conta cerca de 200 mentiras por dia, cerca de 1 mentira a cada 5 minutos, qual a graça de ter um dia da mentira? Só por que vai contar algo mais absurdo do que de costume. Deveria ter o dia da verdade, aí sim eu queria ver.
Imagina só, aquelas mentiras inocentes que a gente conta, sem nenhuma má intenção:
  • A sua amiga pergunta se está bonita com aquela roupa. Ela não está feia, mas também não está bonita e você diz que está.
  • Aquele esmoleu que vai pedir algo e você diz que não tem.
  • O professor que pergunta pelo trabalho e você inventa que seu cachorro comeu.
  • Ou quando diz que gosta de uma coisa só por que alguém (que você quer impressionar) gosta dessa coisa.
  • E aquelas mentirinhas pra mãe e pai? Prefiro não comentar.
  • Até mesmo um "bom dia" só por coveniência, quando no fundo você nem deseja bom dia coisa alguma.
Ah...poderia citar uma lista imensa, e olha que essas são as mais comuns, de uso coletivo(por assim dizer), e ainda tem aquelas mais particulares que não consigo abstrair. Pense aí na sua.
Mas por que tanta mentira? Por que se você falar pra sua amiga que ela não está bonita, talvez ela não sentirá tão sua amiga ou no mínimo vai ficar chateada. Se você disser pro esmoleu que na verdade não quer alimentar a "pedição" dele, e não vai dar por que não quer dar, ele pode ficar triste, ou pode lhe xingar, ou tantas outras coisas. Se você disser para o professor que na verdade você não fez o trabalho, passara de coitadinho a irresponsável. Se você disser que não gosta de uma coisa para aquele alguém que gosta, talvez não o impressione tanto(mas vai por mim, impressiona sim, ser do contra é ótimo). As mentiras pra pai e mãe são por sobrevivência, por que você depende deles. E o "bom dia" pode ser para parecer simpático ou simplesmente por "costume". Enfim, mentiras em sua maioria são para evitar confusões, facilitar as coisas para o seu lado, ou acabar com a vida de alguém. Já usei algumas mentiras com cunho altruísta, você também pode ter usado, mas no fundo, somos egoístas mesmo, e usamos muito da mentira para isso.
Não contei as mais ousadas, que no fundo tem uma pitadinha do mau. Essas aí são mais raras, mas tem quem use. Não irei falar delas, são cruéis e costumam usar contra mim(é claro que esse post precisa ter o meu lado revoltado contra algo, senão não seria meu). O bom é que já criei uma habilidade inexplicável de captá-la "no ar", e o otário passa a ser o que seria o espertinho da trama.
A muito tempo eu tento não mentir, confesso que é difícil (experiementa), e já me dei mal por falar a verdade, mas você se sente mais leve. Tem uns momentos que não tem como contar a verdade, mas, ao menos no geral, estou me saindo bem. Qual o problema em ser chamada de bruta, escrota, mau ou insensível? Nada demais, você vai ver que no final vale a pena. :D
O ser é mesmo engraçado, celebrando a mentira em 1º de abril...hahahahaha...365 dias no ano nós celebramos a mentira.

domingo, 29 de março de 2009

Eu domino

Mais ação,
Menos reação,
Igual a realização.

terça-feira, 24 de março de 2009

A patinha feia e feia novamente.



Hoje antes de sair pela manhã, vi meu priminho de 2 anos, assistindo o clássico "O patinho feio", fiquei lembrando de quando era criança, e pensei: eu já chorei com essa estória. Mas naquela época eu chorei por que tinha muita dó por todo seu sofrimento até se tornar um belo cisne. Rejeição de todas as formas.
Depois pensei que tal desenho pode ser uma metáfora, não sei se muita falta do que fazer, ou se apenas pensei o óbvio, e alguém já pensou o mesmo.
Eu poderia pensar que trata-se de uma crítica do culto a forma para uma valorização da essência, mas acaba não sendo por que no final ele se torna uma ave bonita e não ganha o respeito por seu âmago, e sim pela beleza. Na verdade abstraí que seria uma crítica a visão de uma maioria engessada pela idéia(agora sem acento, mas ainda não me acostumei) de que o diferente deve ser marginalizado. O pobre patinho que é um cisne, é rejeitado por sua feiura, na verdade, por fugir do comum, do que é considerado padrão. Porém, o que determinaram como incomum, era um desvio apenas naquele meio, e quando ele vê que é um cisne, e é aceito pelos outros, sente-se inteiro, "belo".
Demasiadas vezes 'alguém' é repreendido e excluído por ações e pensamentos que divergem da ideologia coletiva(qualquer transferência é mera coincidência). É incocebível para a massa (e aqui vem um discurso um tanto prepotente de uma excluída com uma dose de revolta), que alguém possa pensar/agir "diferente", mesmo que não quebre regras ou afete a vida de outros. "Eu não concordo", "Isso não existe", "Tú é louca", são frases que escuto com certa frequência. Pois que não concorde, pois que não aceite. Tenho pena, não de mim, mas desses que não conseguem nem ao menos pensar na possibilidade que o diferente pode existir, pois isso é preguiça de mudar a rota, talvez medo, por que já conhecem aquele caminho e mudar é correr riscos. Mal sabem o que estão perdendo...o outro caminho é mais interessante.
Maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaassssss...tudo bem! Um dia eu viro um cisne e me junto aos outros.
;D

sábado, 21 de março de 2009

Era uma vez...(duas ou mais)

A silhueta doente
de um corpo são,
pede um não
com sim em mente.
Sombra infeliz
esconde-se no sorriso
da carne que diz:
- Mentir é preciso!

terça-feira, 17 de março de 2009

Transferência


Ontem eu assisti um filme legal, Peixe grande. Fiquei encantada, e foi estranho por que não costumo gostar de estórias, histórias fazem mais 'meu tipo' (se bem que ultimamente ando meio gay). Depois percebi que não se tratava de estória, era só um disfarce para uma filosofia interessante.
O tédio permite a estória, no meu caso a fuga permite o sonho. No meu Sonho grande, não há um Peixe grande, nem Espectro ("a relva é verde, o céu é azul, Espectro é linda" hahahahha), nem um gigante, ou irmãs siamesas, no meu Sonho grande, não há símbolo para o que quero, há um Nada grande. Não pensem nisso com uma visão pessimista, ao contrário, trata-se de algo tão grande que não cabe aqui, que não há definição, ou ainda, que não é compreensível. Seria melhor acreditar em feijões mágicos, ou tirar os sapatos e morar em Espectro, mas quem disse que eu mereço o mais fácil?
Poisson grand, rien grand ;D

sábado, 14 de março de 2009

(Des)pontuando



Por que quando encontro uma interrogação, quero possuir, e quando eu coloco uma exclamação, sinto que devo abandonar?
Sim, eu que a coloco, mas é sem querer. É uma "habilidade".
A exclamação é tão repugnante que quero um ponto final.
A interrogação é tão maravilhosa que a queria como reticências...
Minha vida bem que poderia ser como essa pintura do Vladimir Kush, mas insistem em me dar balões de verdade, eu apago o fogo, e eles descem...de volta à terra...

quinta-feira, 12 de março de 2009

[O] Real-mente

Hoje é um daqueles dias que eu não sei se existo. Não, isso não é uma afirmação tipicamente dramática quanto a minha 'funcionalidade' ou 'importância'. Falo com relação a ser tudo verdade, ou ser um sonho de alguém. Um beliscão não foi o suficiente para refutar o impasse, nem mesmo algo mais doloroso, ou alguma sensação prazerosa. Será que só eu acordo com isso? (se eu existo e acordo) Eu sei que não, ou prefiro acreditar que não, para não pensar que sou louca, se eu realmente existir, não quero existir/ser/estar louca!
Minha mãe diria ao ler: falta do que fazer! (até rimou)
Nem é. Não vamos aqui discutir minhas tarefas diárias. Mas ocorre que sinto-me em queda livre, e sei que nunca irei chegar ao chão e espatifar-me. Claro que se eu existir, não quero existir/ser/estar morta!
Imagina só, se fosse tudo sonho de alguém?Eu deveria parar?
Se eu continuar, ao menos não perderei nada...eu acho.


video

terça-feira, 10 de março de 2009

Verdade de verdade

Em uma grande atuação, fui eu mesma, mais do que costumo ser. Porém, nada convincente. Deveria ter mentido? O ser humano é mesmo estranho! Roga por verdades, mas prefere acreditar em mentiras. A ilusão é confortante, e eu gosto do desconforto da verdade, que bate em mim sempre que corro atrás dela. Apanho e sorrio, feliz com essa que é cruel, mas sempre bem vinda. Se gostas de ilusão, durma e sonhe, ao abrir os olhos, abra-os de fato!

sábado, 7 de março de 2009

Instante constante

_________________Lépido!
L E N T O!
Um pequeno momento,
infinito...
Um frame com essência de um filme.

terça-feira, 3 de março de 2009

Luto

Eu ainda não sei 'lidar' com a morte...infelizmente, ou felizmente, eu ainda não sei...
Não tenho medo de morrer, tenho medo de sofrer, e a morte de alguém próximo causa sofrimento, por que não terei essa pessoa perto, e sua essência não fará mais parte da minha vida. É um pensamento egoísta, mas luto nada mais é que isso, sentimento de perda, sofrimento por não mais 'ter'. E ver outros que gostamos, sofrer por tal, é mais uma vez, sofrer.

Sentirei falta da minha tia que ainda era uma criança, Elisângela...Adeus.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Carnaval II

3 pessoas me xingaram, me chamaram de otária e disseram que eu sou "malamada"...ashhahsha..só por que eu não gosto de carnaval...bem...eu poderia nem respondê-los, mas enfim, minha lígua coçou!
O fato de eu não gostar de cair na bagaceira não faz de mim "malamada", tá certo que os que não ligam pra a "letra" de uma música, se ela está te xingando, ou simplesmente falando merda, são mais felizes, por que quando não se está "nem aí", qualquer merda tá bem! É isso aí...os idiotas são mais felizes...e eu me orgulho de ser menos feliz e menos idiota. Beijinho queridos. ;*

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Carnaval...

Tinha todo um contexto histórico, que nem vou citar aqui por que vai ficar uma leitura cansativa e muitos não leriam(na verdade poucos, por que só mostrei essa birosca, blog, pra 5 pessoas)...os que se interessarem é só falar com Deus(google) e saberão tudo sobre o surgimento e blá blá blá...Bem, mas como ia dizendo, o contexto real dessa tradicional, e por que não "diferente" festa(pra não dizer pitoresca), foi deixado de lado para ser substituída pela 'bagaceira'. Falo assim por que não consigo pensar em outro nome para denominar tal conjunto de comportamentos; músicas; gente pelada; gente se pegando e gente se pegando(sim! há duas formas de 'se pegar'), e tantas outras coisas que não devo citar por que o blog não foi colocado como restrito para menores. Enfim, na verdade, falei tudo isso não por que sou uma tradicionalista que pretende que as pessoas retomem o carnaval como era no princípio, aliás, era sem graça da mesma forma, mas era menos apelativo do que o atual. Carnaval é felicidade para muitos, por que para muitos a felicidade se resume em coisas pequenas(e sim, pretendo que esse 'pequenas' seja pejorativo), como beber e pegar alguém( no "bom" sentido, se é que posso assim dizer), tudo isso regado a uma boa música composta de 2 frases e 3 notas, de uma complexidade tamanha que uma criança de dois anos consegue reproduzir sem muito esforço. Tudo bem que as pessoas sejam felizes, não me incomodo, é até legal, por que teoricamente a harmônia flui e fica tudo blue...AHAHAHHAH...isso foi ridículo...mas enfim...que ao menos fossem felizes com menos merda na cabeça, e eu sei que eu pensar e falar isso, ou falar e pensar isso( não sei, sinceramente em que ordem), vai adiantar de alguma coisa, mas acho uma merda...e tá dito! Não gosto...não suporto...acho ridículo...e tenho amigos que gostam...não me acho a certa...mas minha flexibilidade não chegou ao ponto de entender como todo o bom senso deles é corrompido pela vontade de cair na 'bagaceira'...um dia quem sabe eu entenda...um dia...depois de muitos carnavais...

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Mas por que mesmo...

...eu fiz um blog?
Eita necessidade escrota de auto-afirmação!
vai prá lá!