terça-feira, 17 de novembro de 2009

Vazamento

Eu sou a fonte da qual queres beber diretamente, mas sou também a gota que cai da torneira e perfura tua mente torturada. Jorrante, faço afogar, no instante seguinte a falta te faz secar. Súplicas e agradecimentos, a mesma dádiva é dilúvio e a graça se desgraça. Tua necessidade virou excesso, mas a culpa não está no ato, está na potência instigada, antes adormecida ela não era problema, agora que abriu a válvula, não contenha...mude-se e não abra a próxima.





*Eu sei que parece sem sentido, mas é bom que seja assim...(:

3 comentários:

Leonardo almeida disse...

hm, tive que ler mais de uma vez isso sim. TE ADORO ♥

de Sá disse...

Pra mim faz sentido! Só não deve ser o mesmo que o seu! xD

Thávia disse...

Ego em alta. Embora desfarçadamente frágil...

bjos